Manuel Simões 
Translator

on Lyrikline: 5 poems translated

from: italian to: portuguese

Original

Translation

VITA

italian | Paolo Ruffilli

L'accendersi e
lo spegnersi
(per caso?) della vita
la traccia luminosa
la scia che lascia
dietro a sé
quello che è stato
amato o non amato
comunque sconosciuto
la gioia e il lutto:
precipitato, tutto,
nel cieco vaso
tra le braccia del buio.
L'orma appassita
eppure, intanto,
rifiorita
di ogni cosa.
L'ombra e l'odore
neppure più il colore
il pensiero pensato
della rosa.

VIDA

portuguese

O acender-se e
o apagar-se
(por acaso?) da vida
o traço luminoso
o rasto que deixa
atrás de si
o que foi
amado ou não amado
contudo desconhecido
a alegria e o luto:
tudo derramado
no vaso cego
entre os braços do escuro.
A marca esbatida
porém reflorescida
de cada coisa.
A sombra e o odor
já nem sequer a cor
o pensamento pensado
da rosa.

Trad. português: Manuel Simões e Maria do Rosario Pedreira

SULLA TUA GOLA

italian | Paolo Ruffilli

La lieve curva della gola
nel pronunciare una parola,
l'ombra sul petto e
il taglio della mano
che sale lungo il fianco,
quel bianco incarnato
sfumato appena
in un ventaglio
di smagliature.
Tratti minimi, sia pure,
punti legati in un segmento:
forma colore consistenza.
Solo il dettaglio,
nel farsi oggetto
e luogo circoscritto
ai nostri sensi,
rende presente
e non più astratto
né più evanescente
o spento e vano
l'istinto a opporre
al tempo un'immanenza
fingendosi un istante
eterno il mondo
prima che la traccia
slitti via
cadendo a fondo.

SOBRE A TUA GARGANTA

portuguese

A leve curva da garganta
ao pronunciar uma palavra,
a sombra sobre o peito e
o recorte da mão
que sobe junto ao flanco,
aquele branco rosado
esbatido apenas
num desenho
de estrias.
Traços minimos, talvez,
pontos ligados num segmento:
forma cor consistência.
Só o detalhe
ao fazer-se objecto
e lugar circunscrito
aos nossos sentidos,
torna presente
e não mais abstracto
nem mais evanescente
ou apagado e vão
o instinto a opor
ao tempo uma imanência
fingindo-se um instante
eterno o mundo
antes que o rasto
resvale
caindo ao fundo.

Trad. português: Manuel Simões e Maria do Rosario Pedreira

DESTINO

italian | Paolo Ruffilli

È in quel remoto soffio
dentro al cuore
che ognuno riconosce
il suo destino.
Il sogno più proibito:
l'idea di un infinito
perfino quotidiano,
lasciato in sorte
al corpo dell'amore.
Arreso e imprigionato
per conservare intatto
il suo sapore,
sottratto al vuoto
tenuto tra le cosce
a lungo, invano,
come l'acqua
che scivola comunque
dalla mano.

DESTINO

portuguese

É naquele remoto sopro
dentro do coração
que cada um reconhece
o seu destino.
O sonho mais proibido:
a ideia de um infinito
por fim quotidiano
deixado em sorte
ao corpo do amor.
Rendido e aprisionado
para conservar intacto
o seu sabor,
subtraído ao vazio
apertado entre as coxas
longamente, em vão,
como a água
que todavia escorre
da mão.

Trad. português: Manuel Simões e Maria do Rosario Pedreira

DESIDERIO

italian | Paolo Ruffilli

Penso di me
che frugo con la mano
il corpo arreso e
aperto a ogni assalto
e ascolto intanto,
teso sul tonfo
del tuo cuore,
la voce che cigola
e che stride
pronunciando:
"amore".
Penso di me che
conto piano
ogni anfratto e appiglio
scoperta e nascondiglio
tuo di me che punto
e mi assottiglio
e cerco e inseguo
misurandola sul serio
la causa
di tanto desiderio.

DESEJO

portuguese

Assim, de chofre
apanho-me no espelho
apertado no abraço
enquanto me projecto
para além de mim:
contrato desejo
suplício de um sujeito
que mima a fusão. Mas
anula a ficção
e o sonho
da união mais total
o próprio objecto
duro que, entretanto,
cresce no meio
de nós dois
e que se opõe
corpo estranho
à sua própria afirmação.

Trad. português: Manuel Simões e Maria do Rosario Pedreira

VIAGGIO

italian | Paolo Ruffilli

Poi, alla fine,
mi metto in moto
nonostante
la tentazione di restare
nelle zone più vicine
in vista del mio noto.
Ma, in compenso, parto
solo per tornare.
Non so neanch'io
cos'è che vale
e mi convince,
quale pensiero...
un'intuizione certa
un sesto senso
che mi spinge,
la coscienza fulminante
di una scoperta
paradossale,
che bisogna perdersi
per potersi davvero
ritrovare.

VIAGEM

portuguese

Depois, por fim,
eis-me em movimento
não obstante
a tentação de ficar
nas zonas mais próximas
à vista do que me é familiar.
Em compensação, parto
só para voltar.
Nem sequer sei
o que é que vale
e me convence,
que pensamento…
uma intuição certa
um sexto sentido
que me empurra,
a consciência fulminante
de uma descoberta
paradoxal,
que é preciso perder-se
para se poder de facto
encontrar.

Trad. português: Manuel Simões e Maria do Rosario Pedreiras